sexta-feira, 28 de julho de 2017

Analise dos Amistosos do Borussia Dortmund Visando a temporada 17/18

                                         BVB em ação contra o Espanyol na Suiça

Confira no video abaixo sobre o meu comentário após ver os Primeiros Amistosos que o Dortmund fez até aqui:

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Pré Jogo:Borussia Dortmund x Werder Bremen última rodada Alemão 2016/2017

                                            Jogo será no Signal Iduna Park,Em Dortmund

A Bundesliga entra na sua última rodada com clima de decisão,o Dortmund recebendo o Werder Bremen precisando vencer e podendo fazer pelo menos uns 3 gols e não levar nenhum pra ter vantagem tranquila no Saldo já que o Hoffenheim vai enfrentar o Augsburg ,para o jogo Tuchel tem a dúvida de Ginter com dores nas costas .o jogo terá transsmissão aovivo da ESPN Brasil e Watch ESPN com Abre o Jogo 10hs da manhã e bola rolando 10hs30 com Narração de Rogério Vaughan e Comentários de Gerd Wenzel.

Confira outras informações da partida:

Borussia Dortmund vs Werder Bremen
http://mediadb.kicker.de/2009/fussball/vereine/l/17_20150212261.png
Trainer: Tuchel
http://mediadb.kicker.de/2009/fussball/vereine/l/4_20150225978.png
Trainer: Nouri
Reservebank
Borussia Dortmund:


Werder Bremen:

Es fehlen
Borussia Dortmund:


Werder Bremen:

Sperren drohen
Borussia Dortmund:


Werder Bremen:

Árbitro
Günter Perl, ele é analista de comércio exterior.

Ele apitou um jogo do Dortmund (a vitória por 3 a 0 em cima do Wolfsburg) e uma partida do Werder Bremen ( a derrota de 3 a 1 para o Schalke).

Entrevista do Tuchel:

Sobre o jogo:

Este é um momento especial em que nervosismo aumenta e temos nossos objetivos nos próximos dois jogos

Precisamos dos nossos torcedores para amanhã. A partida poderá ser complicada. I penso a frente para está grande semana.

Sabemos que isso será uma coisa louca que é a Bundesliga. Nós iremos jogar no ataque.

Sobre a permanência no BVB

. Eu não ligo pra isso.

Sobre Julian Weigl

É claro que Sahin é uma opção. Ginter fez um bom jogo contra o Augsburg.

Não tenho certeza se Piszczek irá treinar hoje. Isso vale para Ginter e Durm

Sobre Schurlle

É ainda muito cedo para voltar ao elenco. Isso será discutido na semana que vem.

Sobre o Werder Bremen

Jogaremos em casa. Mas eles serão mais ofensivos e objetivos para o gol.

Nova camisa do Dortmund


Especulação

Os representantes do Dortmund foram vistos no jogo entre Boca Juniors e River Plate. O rumor é sobre as negociações sobre o atacante argentino Sebastian Driussi. O valor de mercado é de 8 milhões de euros.

Histórico

21 vitórias do Dortmund
4 empates
13 vitórias do Werder Bremen

Liga dos campeões

O Dortmund precisa vencer o seu jogo com boa margem de gols como 3 a 0, por exemplo, para se classificar em terceiro para a Champions League. Hoffenheim e Dortmund tem um saldo de 27 a 31 respectivamente porque ambos times de 61 pontos.

Os jogadores do sub-19 do Dortmund Passlack e Burnic irão disputar a final da Champions League sub-19 contra o Bayern de Munique em Dortmund. A partida será na semana que vem.


Confira o video de pré jogo e com a coletiva de Tuchel:


sábado, 13 de maio de 2017

Pós Jogo:Augsburg 1 x Borussia Dortmund 1 - Alemão 2016/2017 -Weigl se machuca grave em empate

                                          Weigl se machuca grave e ficará de 3 a 4 meses fora

O Dortmund vive seus últimos momentos de Thomas Tuchel no elenco aurinegro,mais um empate com atuação de perder vários gols e alterações mais uma vez péssimas o Dortmund está no limite da 3 posição (mesmo número de pontos do que o Hoffenheim) só está na frente pelo saldo de gols(são 4 gols de diferença) além disso teve a lesão séria de Weigl que só volta com a temporada que vem em andamento ,mas Tuchel também paga pela incompetência ao fazer substituições primeiro ao tirar o Weigl colocou Durm completamente sem sentido ,depois no 2 tempo demora pra mexer aí colocou Pulisic e depois na última alteração fez a coisa mais bizarra que Tuchel vem fazendo com muita  frequência ele pôs o fraco Rode e tirou Raphael Guerreiro ,acho que ele fez isso só de sacanagem pra tirar o Dortmund da fase de grupos da Champions League porquê não é possivel ,Lucien Favre do Nice Atual 3 colocado da ligue 1 (campeonato Francês) deverá assumir o BVB ao final da temporada,o Clube deve anunciar depois da Decisão da Pokal .na última rodada do Alemão o BVB recebe o Werder e só precisa vencer e de segurança de margem de uns 2 a 3 gols de diferença pra não da moleza já que o Hoffenheim pega o Augsburg,ou Tuchel crie vergonha na cara ou passaremos mico nos 2 últimos jogos importantes da temporada que pode valer um ano inteiro de trabalho.

Confira analise e entrevista de Bürki:

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Pré Jogo:Augsburg x Borussia Dortmund - 33 Rodada Alemão 2016/2017

                                     Bartra Volta ao time um mês pós atentado em Dortmund

 A Situação de Thomas Tuchel é cada vez mais delicada seja pela troca de declarações polêmicas entre Watzke e Tuchel ,o treinador aurinegro está ha 3 jogos de despedida do clube,muitos nomes foram cogitados mas Lucien Favre é um dos favoritos,o clima é de tensão as vésperas de uma decisão de copa da alemanha e isso vai mexer com as atenções do jogo,Aubameyang 28 gols é o 2 maior goleador do Dortmund em uma única Edição da Bundesliga e vai tentar aumentar a marca,Bartra enfim volta ao elenco depois de tudo que passou pelo atentado há um mês ,o Dortmund está há uma ou 2 vitórias da vaga a Fase de Grupos da Champions ,promessa de clima de decisão na temporada.o Fox Sports transmite aovivo com abre o jogo ás 10hs (10hs30 bola rolando) com narração do Gustavo Villani e comentários do Osvaldo Pascoal.

Confira mais infos:
Augsburg vs Borussia Dortmund
http://mediadb.kicker.de/2016/fussball/vereine/l/91_20160502633.png
Trainer: Baum
http://mediadb.kicker.de/2009/fussball/vereine/l/17_20150212261.png
Trainer: Tuchel
Reservebank
FC Augsburg:

Borussia Dortmund:

Es fehlen
FC Augsburg:


Borussia Dortmund:

Sperren drohen
FC Augsburg:

Entrevista do Tuchel

1. Tuchel finalizou dizendo que o Bartra será uma opção para amanhã.
Tuchel: Há total confiança entre mim e a equipe, caso contrário não poderíamos ter tido essas atuações.
Tuchel: Citações anônimas de jogadores são a parte mais baixa do jornalismo. E quem vai ter certeza se aquilo é verdade?
Tuchel: Nossa missão amanhã é vencer. Queremos permanecer em 3º.
Tuchel: Até jogadores foram jogados na lama por conta de citações anônimas.
Tuchel: Isso com certeza teve um impacto na preparação para o jogo contra o Augsburg.
Tuchel: Disse ao time que sinto muito pelos seus esforços contra o Hoffenheim terem sido ignorados pela mídia.
Tuchel: Ainda não houve nenhuma conversa para esclarecimentos.
Tuchel: Seria ingenuidade se nessa eu semana eu perguntasse o que vai contra minha renovação. No fim das contas eu sou um empregado.
Tuchel sobre permanecer ou não no BVB: Sou a pessoa errada para responder isso.
Tuchel: Muitas mentiras e calúnias estão sendo espalhadas, vindo de fontes anônimas que ultrapassam os limites.

Árbitro
Sascha Stegemann, ele é árbitro profissional. Sascha Stegemann apitou um jogo do Dortmund ( a vitória do BVB por 5 a 2 contra o Hamburgo) e um empate de 1 a 1 entre Augsburg e Freiburg.
Crise no Dortmund
As relações entre Thomas Tuchel e o diretor Hans-Joachim Watzke estão estremecidas. A imprensa alemã comenta que Tuchel e Watzke não tem se falado sobre questões como contratação de jogadores. Além da falta de respaldo da diretoria em momentos como o atentado contra o ônibus do clube aurinegro no Mês passado.
Hoje, Tuchel desabafou contra a imprensa por ter dito inverdades nos últimos dias. Ele afirmou que sente pressionado e não sabe se continuará na equipe alemã.
Estatísticas
8 vitórias do Dortmund
3 empates
1 vitória do Augsburg (que foi em 2015)
Nota:
O zagueiro Marc Bartra volta aos campos após se recuperar da operação no braço esquerdo e no punho direito após o atentado de 11 de abril

Estádio:
O WWK Arena foi inaugurado em 2011. Mas o nome anterior é SGL Arena e foi palco da Supercopa da Alemanha de 2010.
O estádio tem capacidade de 30 mil lugares.
Liga dos campeões
Para confirmar a vaga na fase de grupos da Champions league. O Dortmund precisa vencer o Augsburg e torcer para um empate ou derrota do Hoffenheim diante do Werder Bremen.
Dortmund: 60 pontos
Hoffenheim: 58 pontos
A projeção em caso de vitória do Dortmund e derrota do Hoffenheim

BVB: 63 e Hoffenheim: 58 (tendo mais 3 pontos em disputa na última rodada)
Confira a coletiva na integra de Tuchel que vive os ultimos dias como técnico do Dortmund:

sábado, 6 de maio de 2017

Pós Jogo:Borussia Dortmund 2 x Hoffenheim 1 - Juiz faz lambança e BVB fica a 2 vitórias da fase de grupos da UCL

                                        Reus e Auba decidem e Gabonês faz história pelo BVB

Aconteceu de tudo ,lambança do juiz,dos Bandeiras ,Gol em impedimento validado de Reus mas o Dortmund venceu o jogo fundamental pra ter a vaga na Fase de Grupos da Champions League
da próxima temporada por 2 a 1 ,Reus (em impedimento) e Aubameyang (quebrando novo recorde o maior goleador do Dortmund na história da Bundesliga de todos os tempos com 28 gols) e Kramaric fez para o Hoffenheim ,há de lembrar que no primeiro turno no 2 a 2 o Dortmund foi extremamente  prejudicado  seja pela Explusão injusta de Reus ,seja pela falta clara de Sandro Wagner no 2 gol em cima de Bender e teve Torcedor do Bayern (clube mais ajudado desta Bundesliga) que chorou pacas e tal sendo que os mesmos não reconhecem os jogos que eles são extremamente ajudados na cara dura na Bundesliga e na própria Pokal.dito isso faltam 2 rodadas pro final,o Dortmund pega sábado q vem o Augsburg e na Ultima rodada Recebe o Werder Bremen,é confirmar ou as 2 vitórias pra garantir ou 1 vitória mais o empate ou derrota do Hoffenheim em um dos 2 jogos pra confirmar a vaga na fase de grupos da Champions para os Aurinegros:

Confira a analise e coletiva dos tecnicos no video abaixo:

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Pré Jogo:Borussia Dortmund x Hoffenheim - 32 rodada Alemão 2016/17

                                      Jogo Agita o Sábado no Signal iduna Park em Dortmund

Clima de Final,é assim que é encarado Dortmund x Hoffenheim deste sábado ,há duas rodadas do final o jogo pode praticamente definir a vaga a fase de grupos da próxima Champions ,os aurinegros precisam vencer pra ultrapassar o Hoffenheim e poder ficar com a 3 colocação e precisando de um empate e uma vitória pra ficar com a vaga na Próxima Champions na fase de grupos,Rode volta ao time no banco de reservas,considerado um dos piores jogadores do time sabe que ele nao durará muito no Dortmund,além disso Durm sentiu dores musculares no treino de terça e está fora de novo,Sahin ainda se recupera da contusão grave que sofreu contra o Gladbach ,resumindo o Dortmund em casa tem que fazer tudo que não conseguiu fazer contra o Colônia,Gols.A ESPN Brasil mostra o Jogo aovivo 10hs30 com Narração do Rogério Vaughan e Comentários do Gerd Wenzel.
Mais Infos abaixo:

http://mediadb.kicker.de/2009/fussball/vereine/l/17_20150212261.png
Trainer: Tuchel
http://mediadb.kicker.de/2017/fussball/vereine/l/3209_20160810833.png
Trainer: Nagelsmann
Reservebank
Borussia Dortmund:


TSG Hoffenheim:

Es fehlen
Borussia Dortmund:


TSG Hoffenheim:
Sperren drohen
Borussia Dortmund:


TSG Hoffenheim:


Entrevista do Tuchel
1. Tuchel sobre o Reus: Se dependesse de mim ele não iria para a Copa das Confederações. Mas é claro que teremos que aceitar as decisões.
Tuchel: Sempre correspondemos, por isso confiamos no nosso time.
Tuchel: Nós provamos o tempo todo que sabemos lidar com a pressão. Estamos confortáveis com a situação.
Tuchel: Não é tempo para falar sobre especulações.
Tuchel, ironicamente, sobre os rumores quanto ao Aubameyang: A transferência ainda não está concluída.
Bartra e Schürrle ainda não estão treinando com bola mas já fazem treinos físicos.
Durm está fora. Rode treinou normalmente e será relacionado pro jogo de amanhã.
Tuchel disse que Sokratis e Schmelzer estão disponíveis pra amanhã - eles não treinaram ontem.
Tuchel: Hoffenheim gosta de atacar e de ter a bola. Eles sempre atacam com seis jogadores. Merecem estar onde estão na tabela.
Tuchel: Tenho a sensação de que o Marco Reus está ansioso para estes jogos decisivos.
Tuchel: Mesmo se nós vencermos amanhã ainda não estará decidido quem terminará em 3º.
Tuchel: A pressão sobre nós em Dortmund é sempre maior do que para o Hoffenheim.

Entrevista de Watzke
1. Watzke sobre o Dan-Axel Zagadou: Se ele escolhesse o BVB, seria um jogador para o futuro, não um para nos ajudar imediatamente.
Watzke: Se o Aubameyang quiser nos deixar, ele certamente falará conosco. Mas até agora isso não aconteceu.
Watzke: E pela minha longa experiência sei que nem tudo o que está escrito nos jornais é verdade.
Watzke sobre uma possível venda do Aubameyang: Não sei de nada concreto. Tudo que sei é pela mídia.

Árbitro
Felix Brich, ele é jurista.
Ele é apitou o jogo entre Schalke 04 e Borussia Dortmund (empate de 0 a 0) e Hoffenheim e Darmstadt (vitória do Hoffenheim por 2 a 0)
A história do titulo do Dortmund em 2002.
A épica conquista do Borussia Dortmund na Bundesliga 2001/02, recontada por Amoroso
Por: Leandro Stein
5 de maio de 2017 às 13:48
0
dortmund
Poucos dias foram mais felizes para a Muralha Amarela do que aquele 4 de maio de 2002. O Borussia Dortmund conquistava um de seus títulos mais emblemáticos diante de sua torcida, na última partida da Bundesliga. Sagrava-se campeão nacional pela sexta vez, e graças a uma memorável arrancada na disputa com o Bayer Leverkusen, em rodadas finais lotadas de épicos. Os aurinegros precisaram esperar até os 29 minutos da segunda etapa, quando Ewerthon saiu do banco e virou o jogo contra o Werder Bremen, para ter certeza que nada tiraria a Salva de Prata de suas mãos. Tempos gloriosos.
Desde o início da campanha, o Dortmund se colocou entre os favoritos. A diretoria botou a mão nos bolsos e investiu pesado em contratações, sobretudo para o ataque, buscando o trio formado por Amoroso, Ewerthon e Jan Koller. No entanto, a concorrência era duríssima. O Bayern de Munique vinha de três títulos consecutivos na Bundesliga, além de ter faturado a Champions na temporada anterior, encerrando um jejum de 25 anos na competição continental. De qualquer maneira, o Bayer Leverkusen se provou o principal desafiante. Em anos de altos investimentos, os Aspirinas contavam com um elenco recheado de jogadores de seleção.
Mas o Borussia Dortmund também tinha os seus predicados. Treinado por Matthias Sammer, o elenco combinava experiência e juventude. Possuía à disposição nomes tarimbados, alguns remanescentes da conquista da Liga dos Campeões em 1996/97 – os veteranos Jürgen Kohler, Stefan Reuter e Jörg Heinrich, além do ascendente Lars Ricken. Tinha outros atletas provados no mais alto nível, como Amoroso, Jens Lehmann, Christian Wörns, Jan Koller, Evanílson e Sunday Oliseh. Além de uma lista extensa de talentos prontos para decolar, que incluía, Tomas Rosicky, Dedê, Ewerthon, Christoph Metzelder e Sebastian Kehl.
dortm
Após uma sequência de quatro vitórias nas quatro primeiras rodadas, o Dortmund perdeu os clássicos diante de Bayern de Munique e Schalke 04. Com isso, só foi apresentar realmente suas credenciais ao título a partir de outubro, quando emendou seis triunfos. Foram 13 jogos de invencibilidade, que levaram o time à liderança no início do segundo turno – com direito a um marcante empate na visita ao Bayern no Estádio Olímpico, provocando as lágrimas de Oliver Kahn pela chance do tetra que se esvaia. A ótima série, contudo, se encerrou justamente na visita ao Leverkusen, vice-líder. Os Aspirinas não só golearam por 4 a 0, como também assumiram o topo da tabela.
Diante do cenário, as últimas dez rodadas guardaram um duelo espetacular pela Salva de Prata. Graças aos tropeços do Dortmund contra Stuttgart e Kaiserslautern, o Leverkusen chegou a abrir cinco pontos de vantagem a três rodadas do final. E aí que a reação inimaginável dos aurinegros tomou forma. Primeiro, bateram o Colônia por 2 a 1, com um gol de Amoroso aos 44 do segundo tempo, enquanto o Leverkusen foi derrotado pelo Werder Bremen. Na partida seguinte, já retomaram a liderança. Superaram o Hamburgo por 4 a 3 em um jogaço no norte do país e contaram com a vitória do Nuremberg sobre os Aspirinas.
Já no último compromisso, diante da Muralha Amarela, o Borussia precisava apenas fazer sua parte contra o Werder Bremen. Começou tomando um gol aos 17 minutos, o que, combinado com a vitória parcial do Leverkusen sobre o Hertha Berlim, levava o troféu à BayArena. Entretanto, os aurinegros reagiram. Empataram antes do intervalo, com Jan Koller. E, aos 29 do segundo tempo, Ewerthon, que acabara de sair do banco, completou o cruzamento de Dedê para decretar a vitória por 2 a 1. Para decretar o título, que demoraria nove anos para voltar ao Westfalenstadion.
Aquele campeonato marcou de diferentes maneiras. Marcou um excelente time do Borussia Dortmund, que chegou a ser vice-campeão da Copa da Uefa naquela temporada, goleando o Milan por 4 a 0 nas semifinais. Poucos meses depois, o clube enfrentaria serias dificuldades financeiras. Marcou também o timaço “azarado” do Leverkusen, vice da Copa da Alemanha e da Liga dos Campeões nas semanas seguintes. E marcou a fase implacável de Amoroso no futebol europeu. Mesmo contraindo dengue durante a campanha, o camisa 22 foi maior goleador da competição, com 18 tentos em 31 jogos. Ainda hoje, o atacante é o único brasileiro a ser artilheiro em duas ligas diferentes entre as cinco principais da Europa – já tinha sido o ‘capocannoniere’ da Serie A em 1998/99, pela Udinese. E isso sem contar sua artilharia no Brasileirão de 1994, quando estourou pelo Guarani.
Para resgatar os detalhes daquela campanha histórica que completa 15 anos, conversamos com o próprio Amoroso. Falou à Trivela sobre o ambiente no clube, a amizade firmada entre os jogadores brasileiros e tchecos, a mentalidade na reta final da campanha e a relação com a apaixonada torcida aurinegra. Confira:
amoroso
A adaptação imediata e a confiança do elenco
“Eu tinha acabado de chegar da Itália. Era a contratação mais cara da história do Borussia e vinha de uma experiência no futebol italiano, que é um futebol muito difícil de se marcar gols. Então, eu já cheguei na Alemanha fazendo gols e me destacando. A partir de então, você começa a ganhar credibilidade dentro do elenco, as pessoas começam a te respeitar mais, também pelo fato de eu ter sido artilheiro do Campeonato Italiano antes. Devido aos gols que eu marcava, ganhei logo o respeito, acabei recebendo uma moralzinha diferente. A gente tinha um grupo muito experiente, de jogadores com passagem pela seleção alemã, outros que faziam parte da seleção na época. A gente tinha um time com bagagem”.
A conexão entre Brasil e República Tcheca
“Nós quatro brasileiros [Amoroso, Evanílson, Dedê e Ewerthon] éramos muito unidos. A gente estava sempre juntos, se reunia com as famílias, saía para jantar. Aí o Jan ia às vezes, o Tomas. Nós jogávamos muito próximos em campo, isso ajudou a criar uma amizade. O Rosicky, o Ewerthon, o Koller e eu éramos o pilar daquele ataque, fazíamos o bloco na frente, e nas duas laterais vinham o Evanílson e o Dedê. A gente tinha muita ligação. Até hoje nos falamos, nos comunicamos. Às vezes eu mando mensagem para o Tomas, às vezes para o Jan. Isso se deve ao nosso sucesso dentro de campo e à amizade que acabou surgindo. É uma ligação muito positiva, que não se perde”.
A importância dos campeões de 1997 no elenco
“Tinha o Ricken, que era mais jovem, o Heinrich, com experiência na Fiorentina, um lateral que também jogava no meio. O Kohler e o Reuter, por terem ganhado a Copa do Mundo pela seleção alemã, possuíam essa facilidade de saber conduzir o time quando se precisava ter um pouquinho de paciência. Principalmente nos jogos que a gente sabia que seriam mais difíceis, contra o Schalke, contra o Bayern, contra o Leverkusen. A gente sabia que podia contar com eles nos jogos mais representativos do campeonato, por essa experiência. Esses quatro jogadores ajudavam bastante. O Sammer era jovem na função, estava começando sua carreira como técnico, precisava da nossa experiência, da nossa vivência por ter trabalhado com outros jogadores. O time era muito unido, sério. A gente procurava estar junto sempre, o que faz a diferença dentro de um elenco”.
amoroso1
O dia em que Kahn chorou
“Eu tive dengue, fiquei um mês sem jogar. Então, me preparei para voltar contra o Hansa Rostock, numa quarta-feira. Era titular absoluto, brigava pela artilharia do campeonato. Mas o Sammer não me colocou desde o início. Falou que ia me preparar para o jogo contra o Bayern, que aí sim eu seria titular. Fiquei no banco contra o Hansa, acabei entrando no segundo tempo, fiz o segundo gol da vitória. Eu estava tranquilo, sabia que jogaria no final de semana contra o Bayern. Era um jogo em que teria mais espaço, um jogo bom, geralmente aberto. Nosso time vinha num ótimo momento. Mas quando chegou na hora, ele não me botou na escalação para jogar desde o início. Aí eu fiquei bravo”.
“Quando fui falar com o Sammer, ele me disse que contava comigo para o início do segundo tempo. Acabou o primeiro tempo, eu via que aquele jogo estava para mim. Pensava comigo: ‘Esse jogo é pra mim, esse jogo é pra mim, preciso entrar logo’. Fiz o aquecimento no vestiário, mas o jogo voltou e ele não me colocou. Cinco minutos e nada. Dez minutos e nada. Pensei comigo: se eu não entrar com mais dez minutos, vou no banco reclamar. Aí eu fui lá e reclamei. Cheguei e disse: ‘Vem cá, você falou que ia me pôr no início, e não colocou. Vai esperar o jogo terminar pra me botar com cinco minutos? Quero entrar agora’. Só então ele me colocou no jogo”.
“Na primeira bola que eu peguei, fui dominar e sofri a falta. Peguei a bola e não deixei ninguém chegar perto – Dedê, Rosicky. Avisei: ‘Quem vai bater sou eu’. Eu batia as faltas e os pênaltis do time. Quando eles se afastaram, o Evanílson veio falar comigo. ‘Já sei, ele dá um passo para trás da barreira, vou bater no canto dele’, eu disse. E o Evanílson concordou que era isso mesmo. Eu peguei, só tirei dele. Mandei a bola por cima da barreira, pro gol. Aí eu fui no treinador e falei: ‘Tá vendo, se você não me põe no jogo, não sai nada! Eu sou foda, tenho que fazer gol mesmo!’. Sou foda e o caramba [risos]. Aquela partida ficou marcada”.
“Depois o Élber fez o gol de empate, o Lehmann deu uma cotoveladinha de leve para provocar. Teve aquela discussão. No fim, o Kahn deu aquela ajoelhadinha no chão e chorou. Aquele gol praticamente eliminou as chances do Bayern tentar ser campeão e brigar lá na frente com a gente pelo título”.

A épica reta final
“Aquele jogo contra o Leverkusen foi atípico. O time deles era muito bom também. Tinha Ballack, Zé Roberto, Lúcio, Ramelow, Butt, Kirsten, Neuville, era um timaço. E a briga pelo título ficou entre nós dois. Então aquele jogo foi muito atípico, não jogamos bem. Eu me lembro que o time deu uma desencontrada e o Leverkusen tomou conta do jogo, a gente falhou em alguns aspectos. Mas depois tivemos outras vitórias, até chegar aos jogos contra o Colônia e o Hamburgo. A gente precisava da vitória para poder sonhar com o título”.
“Contra o Colônia, teve aquele pênalti aos 42 em cima do Kohler, onde todo mundo tropeçou dentro da área, fazendo dominó. Acabei marcando esse gol aos 44 do segundo tempo e ele nos ajudou a ter sucesso, porque o Leverkusen perdeu em casa contra o Werder Bremen. Foi o jogo que mais fez diferença pra gente. Depois tivemos uma partida fantástica contra o Hamburgo. Jogamos muito e chegamos na última rodada em vantagem, dependendo só de nós mesmos”.

A rodada decisiva
“A gente não estava mal naquele jogo. Nosso time entrou concentrado. É normal, quando se briga pelo título, ter a ambição de poder decidir o jogo nos minutos iniciais. Mas não foi aquilo que aconteceu. Tomamos o gol do 1 a 0 e, então, nosso time melhorou no jogo. Sabíamos que estava tudo a nosso favor, porque a equipe estava jogando bem. Eu bati uma falta no travessão, nos deu confiança. Depois, em uma triangulação, saiu o gol. Eu e o Rosicky começamos o lance, antes que o Koller batesse de longe, no canto do goleiro. Empatamos e fomos para o intervalo no 1 a 1. Sabíamos que restavam 45 minutos para tentar virar”.
“Então, a gente foi tentando, tentando, tentando. Tivemos algumas surpresas, tomamos alguns contra-ataques naquele jogo, o que é normal quando você busca o resultado. Cheguei no banco e falei pro Sammer: ‘Põe logo o Ewerthon no jogo, porque a gente precisa dele. Põe mais um atacante. Eu não sei quem vai sair, mas põe o Ewerthon’. Nisso, o Sammer chamou o Ewerthon, ele entrou, e na primeira bola que tocou…”
“Eu sempre falava pro Dedê: ‘De primeira, Dedê, qualquer coisa chega cruzando na área que a gente vai entrar. Estamos em três atacantes, mais o Rosicky, a gente vai entrar’. Tivemos uma tabela do Dedê com o Lars Ricken, ele pegou de primeira e mandou pra dentro da área. A bola atravessou a área toda, o goleiro deu um tapinha e o Ewerthon entrou no segundo pau de carrinho, fez o gol. Foi um gol realmente de muita garra, de muita raça. A gente pode dizer que o nosso time foi mesmo superior durante toda a temporada. Merecíamos terminar como campeões”.
amoroso2
A comemoração da Muralha Amarela e o reencontro
“A festa é diferente, é uma torcida incrível. Acho que não tem uma torcida igual no mundo, um paredão como aquele ali. Eu fico lisonjeado. Sou eternamente grato, porque eles me dedicaram uma música. Fui o único jogador a ter uma música cantada pela torcida, tocava até em discoteca. Era um ritmo que eles adaptaram e fizeram uma canção para mim – ‘Ninguém joga tão bonito quanto o Amoroso’. O estádio costumava tocar. Eu era o último a entrar em campo, a ser anunciado pelo speaker, e eles finalizavam com essa música. Ficou eternizada para mim essa homenagem”.
“A torcida sabia da minha ligação com eles, por ser um jogador que partia para cima, de velocidade e habilidade, que fazia jogadas diferentes. Sempre cumprimentava os torcedores, existia uma ligação afetiva – também pelo Brasil, por ser uma nação com esse dom de jogar um futebol alegre. A torcida me entendeu e acabou me adotando como um dos grandes ídolos do Borussia. Tive a oportunidade de retornar a Dortmund na despedida do Dedê, em 2015, depois de mais de 10 anos. Graças a Deus fui ovacionado. Foi algo fantástico, sem dúvidas, a demonstração de carinho quando o speaker anunciou o meu nome. Fiquei bastante feliz, lisonjeado”.
A importância daquele momento para a carreira
“Foi um momento que realmente ficou marcado para mim, por ter sido meu primeiro título internacional. Eu ganhei a Supercopa da Itália com o Parma, mas não fazia efetivamente parte daquele time, estava acabando de chegar. Mas no Borussia eu vivi desde o primeiro minuto o sonho dessa conquista. A gente sabia a responsabilidade que era devolver ao Dortmund um título nacional, com o clube sem ganhar a Bundesliga desde 96, levando a Champions em 97. Então aquele título foi realmente determinante para mim e para minha carreira. Conquistei também a artilharia e fui eleito o melhor do campeonato. [Questionado sobre a falta de chances na Seleção]: Realmente faltou um pouquinho de chance, porque eu acreditava que em 2002 eu poderia ser chamado para a Copa do Mundo. Infelizmente, não veio essa oportunidade. Mas isso não tirou o brilho da minha carreira por ter jogado na Europa, ter sido vencedor e ter defendido este grande clube que é o Borussia”.
dortm2
dortm1

Fonte: site Trivela.

Confira o Video com as infos e coletiva completa do Tuchel: